segunda-feira, 31 de maio de 2010

"Deus criou os animais para experimentação"

As palavras são do governo da Malásia, em resposta a protestos de associações de protecção animal contra a construção de um novo centro de biotecnologia. Observo com interesse que a polémica, relatada na imprensa internacional, parece ter muitas semelhanças à do proposto biotério da Azambuja. E com a satisfação de que aqui nenhum representante do governo responderá com referência à vontade divina.

quinta-feira, 13 de maio de 2010

Darwin e a experimentação em animais - Parte II


Passou já muito tempo desde a minha primeira introdução a este tema.
Retomo agora o mesmo, começando por traçar um retrato de Charles Darwin, muito concretamente no que diz respeito à sua aversão à visão do sofrimento, de seres humanos ou de qualquer outro animal. A terceira parte dirá respeito ao papel de Darwin no debate sobre a vivissecção como partidário dos fisiologistas, algo que alguns movimentos activistas optam por ignorar, quando o citam como sendo anti-vivisseccionista.
Darwin nutria afecto por muitas espécies animais – e muito em particular pelos seus cães – o que não raras vezes levou a que perdesse as estribeiras sempre que via alguém maltratar qualquer criatura. Francis Darwin, seu terceiro filho, relatou vários episódios em que seu pai teria reagido vigorosa e violentamente contra tratamento indevido dado a cavalos, tendo mesmo chegado a saltar da sua carruagem para o fazer. Aliás, Francis falava também sobre o dia em que um cocheiro disse a alguém queixoso pelo atraso de Darwin que se tivesse chicoteado ainda que minimamente o cavalo, o eminente cientista teria saltado da carruagem para lhe dar igual tratamento.
Segundo a sua auto-biografia, Darwin teria já em criança manifestado compaixão pelas minhocas perfuradas por um anzol, um gesto que não repetiria sem antes as matar humanamente, ainda que com prejuízo na eficácia da pescaria (nada nos diz sobre a compaixão pelo peixe). Recorda ainda nos seus escritos ter também em criança voluntariamente maltratado um pequeno cão, pela breve sensação de poder que isso lhe dava, mas não sem que se arrependesse amargamente e para o resto da vida desse episódio. Referia-se frequentemente aos seus cães nas cartas à família, como se de familiares se tratassem, e sobre esta espécie afirmou: “Besides love and sympathy, animals exhibit other qualities connected with the social instincts, which in us would be called moral; and I agree with Agassiz that dogs possess something very like a conscience”
Publicamente reconhecido como um defensor dos animais, tinha ainda uma relação cordial com a conhecida activista anti-vivissecção Frances Power Cobbe, com a qual não só vizinhava durante o Verão, como partilhava interesses comuns, nomeadamente o amor pelos cães. Assim sendo, e tendo rebentado em 1875 a contestação contra o uso de cães em estudos científicos, não tardaria a que esta lhe propusesse assinar a sua petição para intensa regulamentação (e, preferencialmente, a abolição) desta prática. Curiosamente, não só Darwin recusou, como incaracteristicamente tomou parte activa na questão, nomeadamente numa proposta alternativa de legislação para a regulamentação da vivissecção (termo que aliás não gostava, pois englobava quer experiências dolorosas, quer aquelas conduzidas com animais anestesiados).
Que conclusões tirar desta atitude, aparentemente contraditória à sua natureza? As suas cartas dão-nos alguma informação a esse respeito.
Em carta a Ray Lankester (22 de Março de 1871), Darwin afirmou que:
"You ask about my opinion on vivisection. I quite agree that it is justifiable for real investigations on physiology; but not for mere damnable and detestable curiosity. It is a subject which makes me sick with horror, so I will not say another word about it, else I shall not sleep to-night."

Outro extracto das notas de Sir Thomas Farrer evidenciam como Darwin expressava vivamente essa posição também nas suas conversas:

"The last time I had any conversation with him was at my house in Bryanston Square, just before one of his last seizures. He was then deeply interested in the vivisection question; and what he said made a deep impression on me. He was a man eminently fond of animals and tender to them; he would not knowingly have inflicted pain on a living creature; but he entertained the strongest opinion that to prohibit experiments on living animals, would be to put a stop to the knowledge of and the remedies for pain and disease."

Daqui se depreende que, tal como muitos de nós, Darwin achava a experimentação animal justificável, dependendo do propósito. Quando este era o avanço do conhecimento da fisiologia, com o intuito de aliviar a dor e sofrimento humanos, Darwin admitia que a experimentação animal era da maior importância, ainda que as experiências muitas vezes conduzidas, em concreto, o fizessem empalidecer.
Ainda sobre as ideias de Darwin, transcrevo aqui algumas frases-chave de uma carta (de 4 de Janeiro de 1875) que enviou à sua filha, a propósito da vivissecção, e na qual me parecem estar alguns pontos essenciais que permitem rebater sem sombra de dúvida a alegação de alguns movimentos activistas pró-animal de que Charles Darwin seria anti-vivissectionista.
I have long thought physiology one of the greatest of sciences, sure sooner, or more probably later, greatly to benefit mankind; but, judging from all other sciences, the benefits will accrue only indirectly in the search for abstract truth.”
Esta é uma verdade ainda nos dias de hoje. Contudo, ainda que os benefícios que advém do conhecimento adquirido pela experimentação animal nem sempre sejam imediatos (ou mesmo os esperados inicialmente), Darwin não via este ponto como essencial ao debate.
It is certain that physiology can progress only by experiments on living animals.”
(Isto já não é tão verdadeiro nos dias de hoje – e o desenvolvimento de alternativas ao uso de animais tem vindo a aumentar – mas era-o, sem dúvida, naquele tempo)
Therefore the proposal to limit research to points of which we can now see the bearings in regard to health, etc., I look at as puerile.”
E aqui temos a razão pela qual Darwin se opôs a assinar a petição de Ms. Cobbe.
I would gladly punish severely any one who operated on an animal not rendered insensible, if the experiment made this possible; but here again I do not see that a magistrate or jury could possibly determine such a point.”
Uma vez mais surge uma questão ainda hoje pertinente. Como demonstrar que há ou não alternativas, ou lugar para a aplicação dos 3Rs, num dado protocolo experimental que contemple o uso de animais?
Therefore I conclude, if (as is likely) some experiments have been tried
too often, or anaesthetics have not been used when they could have been,
the cure must be in the improvement of humanitarian feelings.”
É surpreendente que Darwin tenha feito esta afirmação 84 anos antes da publicação do famoso Principles of Humane Experimental Technique, de Russel e Burch.
Em jeito de remate, a propósito da referida petição:
I cannot at present see my way to sign any petition, without hearing what physiologists thought would be its effect, and then judging for myself. I certainly could not sign the paper sent me by Miss Cobbe, with its monstrous (as it seems to me) attack on Virchow for experimenting on the Trichinae. I am tired and so no more.”

segunda-feira, 10 de maio de 2010

Para esquerda ou para a direita?

Pode ser que somos a única espécie de animal politico, mas não somos os únicos com tendências para direita ou para a esquerda – no que diz respeito a preferência física de uma pata sobre a outra ou um lado sobre o outro. Quando no laboratório treinamos um ratinho de executar uma tarefa com lateralidade, precisamos primeiro determinar se este ratinho tem uma preferência natural. Neste caso, para ter a certeza que estamos a medir a aprendizagem da tarefa em questão, escolhemos treina-lo a executa-la no lado contrário ao preferido. Mas lateralidade no mundo animal é mais do que ser canhoto ou não – saiba mais na ultima edição da New Scientist.

A mesma revista conta também a noticia da observação do comportamento de chimpanzés fêmeas depois da morte do bebé, e como estas resistem em se separar da cria mesmo evidentemente morta. A observação de um grupo de chimpanzés no distrito de Bossou em Guiné feita por uma equipa incluindo a investigadora portuguesa Cláudia Sousa da Universidade Nova de Lisboa, foi originalmente publicada na revista Current Biology.

quarta-feira, 5 de maio de 2010

Ratos desportistas

Ratos a jogar basketball?



Como é evidente, estes animais não estão propriamente a jogar basketball, mas antes a reproduzir um comportamento que sabem lhes trará uma recompensa (neste caso uma pequena porção de alimento de paladar agradável).

Não quero, contudo, dizer com isto que estes animais não são providos de inteligência e que agem como autómatos que controlamos a nosso bel-prazer. Bem pelo contrário, uma vez que, quer em condições naturais quer laboratoriais, os ratos tem mostrado um engenho impressionante, sendo capazes de desempenhar comportamentos muito mais complexos que passar uma bola num arco.

Eu já tive oportunidade de ver ratos em habitats super-enriquecidos e vou mesmo ao ponto de dizer que não só são hábeis na resolução de problemas, como também evidenciam "personalidades" distintas. Estas reflectem-se no modo por vezes diferenciado de como abordam desafios, e não só em características mais gerais como agressividade ou comportamento exploratório.

Posto isto, o que mais me admira não é a capacidade dos ratos para "jogar" basketball (algo muito básico para as suas potencialidades), mas o facto de dois ratos que suponho não se conhecerem se encontrarem e:

a) disputarem um recurso único
b) estarem num ambiente novo, muito iluminado e barulhento
c) poderem estar a recuperar do stress da viagem (ou mesmo "jet lag")

e não aparentarem sinais óbvios de stress ou agressividade para com o outro. Do que conheço destes animais, isto só se explica se os competidores (humanos) tiveram em consideração estas variáveis e as procuraram colmatar de alguma forma. Se fosse eu (e não seria, pois não sujeitaria os animais a isto em nome do "entretenimento" e, mesmo que o fizesse, não seria de basket mas antes de futebol), tê-los-ia levado vários dias antes, habituá-los-ia previamente ao espaço e às condições adversas e apresentaria previamente os animais em competição, procurando habituá-los à presença um do outro. Ah, e escolheria fêmeas, o que amenizaría a questão do estabelecimento de hierarquia pela submissão do outro (ainda que o não suprimisse).