segunda-feira, 13 de agosto de 2012

Veterinária e Animais: longe da vista, longe da profissão ?

Texto da autoria de Ana Santos, Bruno Lopes e Leonor Valente
Alunos da Pós-graduação em Bem-estar Animal, ISPA

A utilização de animais - resultando muitas vezes em sofrimento ou morte dos mesmos - continua a ser comum na educação veterinária em disciplinas como cirurgia, fisiologia, bioquímica, anatomia, farmacologia e parasitologia. Nos dias de hoje, em que se sabe que os animais sentem dor e stress (o conceito de senciência animal está, aliás, consagrado na lei da União Europeia desde 1997), parece assim pouco ética a utilização e manutenção de animais para uso exclusivo no ensino, e sua perpetuação, pode estar ligada a uma falta de planeamento e aproveitamento dos recursos já existentes nas faculdades. Este tipo de abordagem tem implicações na formação dos próprios alunos, ao promover uma desvalorização da própria vida dos animais. Tem também um impacto negativo no bem-estar dos animais implicados e nos custos que a manutenção e uso de animais representa para cada faculdade. Substituir este tipo de prática por outras alternativas mais éticas e com resultados de aprendizagem igualmente satisfatórios trará novas oportunidades para professores, beneficiará os alunos, as faculdades, o mercado (explorações pecuárias, clínicas e hospitais veterinários, associações zoófilas) e, não menos importante, os animais.

Tradicionalmente, a profissão veterinária não tem sido a mais activa no avanço do ensino e divulgação das questões de bem-estar animal (Nota do Editor: um papel muitas vezes deixado a organizações como a WSPA). Isto é atribuído em parte à educação inadequada para esta temática durante o curso já que parece haver uma inibição do desenvolvimento da capacidade de raciocínio moral ao longo dos cinco anos de formação. Esta inibição pode ter duas explicações: pode, por um lado, ser devida aos exemplos dados pelos docentes, que em muitos casos não terão tido formação específica em questões de natureza ética e de bem-estar animal, e, por outro, pode também representar uma adaptação que permite aos alunos suportar o stress psicológico resultante do sofrimento causado em seres sencientes e na ausência de motivo aparente.

Algumas das alternativas realistas e que podem ser utilizadas para eliminar a utilização de animais no ensino incluem o recurso a modelos cirúrgicos e programas multimédia. No entanto, e apesar de existirem já várias alternativas que promovem igual ou mesmo maior aprendizagem por parte dos alunos (Nota do Editor: é o caso do simulador de palpação transrectal), continua a existir a necessidade de trabalhar com animais vivos em determinadas matérias. Esta prática não tem de ser eliminada, mas é necessário certificarmo-nos da proveniência, manutenção e destino desses animais. A título de exemplo podemos pensar nas faculdades de medicina veterinária em Portugal, as quais têm um hospital associado à instituição. Se os animais que procuram estes hospitais realmente necessitam de uma intervenção médica poderão ser aproveitados como objeto de estudo para os alunos, sem que se levantem questões éticas adicionais e permitindo que os alunos beneficiem exatamente do mesmo tipo de prática. Isto traz também a vantagem de permitir ao aluno uma noção mais real da prática clinica. Outro exemplo são as associações zoófilas que frequentemente se deparam com a sobrepopulação de animais e a escassez de cuidados médicos dos mesmos. Estes animais poderão também servir os alunos como objeto de estudo suprindo as necessidades das associações.

Na nossa opinião, estes são apenas alguns exemplos que demonstram como a utilização e manutenção de animais com fins exclusivamente educativos se pode tornar obsoleta e desnecessária existindo, no entanto, alternativas para a formação melhorada dos profissionais mais profundamente consciencializados para temas éticos e de bem-estar animal.

2 comentários:

  1. "parece assim pouco ética a utilização e manutenção de animais para uso exclusivo no ensino, e sua perpetuação, pode estar ligada a uma falta de planeamento e aproveitamento dos recursos já existentes nas faculdades"

    Concordo completamente que se deve procurar sempre usar animais no ensino de uma maneira que beneficie tanto os animais como os alunos. Mas gostaria de saber quão longe disto é da realidade de agora nas faculdades de medicina veterinária. Que animais são usados? Quantos? De que maneira?

    ResponderEliminar
  2. Na verdade, essa informação não existe. Em Janeiro de 2011, na sequência do "caso de Évora" (que deu origem a uma das mensagens mais vistas e comentadas neste blog) a DGV pediu a todas as faculdades de medicina veterinária informações sobre a origem de cães e gatos utilizados para fins de ensino (e se os animais eram utilizados para outros fins). Não me recordo de alguma vez esses resultados terem vindo a público. Também não compreendo porque é que a DGV na altura não se interessou por outras espécies animais, em especial as de interesse pecuário.

    ResponderEliminar

Obrigado pela sua participação no animalogos! O seu comentário é bem-vindo, em especial se fornecer argumentos catalisadores da discussão.

Embora não façamos moderação dos comentários, reservamo-nos no direito de rejeitar aqueles de conteúdo ofensivo.

Usamos um filtro automático de spam que muito ocasionalmente apanha mensagens indevidamente; pedimos desculpa se isto acontecer com o seu comentário.