quinta-feira, 8 de novembro de 2012

Academicos opinativos - entrevista com Mickey Gjerris


Anna Olsson: Olá Mickey Gjerris*. Recentemente, ao embarcar num avião em Copenhaga, peguei por acaso num exemplar de um dos maiores jornais dinamarqueses, e vi publicado um comentário teu sobre bem-estar animal e a indústria agro-pecuária Dinamarquesa. Podias por favor resumir os principais pontos deste comentário aos leitores do Animalogos? 

Mickey Gjerris: O ponto de partida da minha carta ao editor foi o questionar da alegação que frequentemente é feita pelo sector agrícola dinamarquês de que são os “campeões mundiais” em bem-estar animal. Isto foi usado para discutir como o bem-estar animal é um conceito complexo e que é entendido de modo distinto por diferentes pessoas. Alegar ser campeão mundial de bem-estar animal é assim um gesto bastante desprovido de significado.

Tendo isto como pano de fundo, prossegui criticando diversos aspectos da indústria pecuária dinamarquesa, mostrando como o bem-estar de animais é sacrificado no altar da produtividade. Finalmente mostrei como outros países europeus têm, nalgumas áreas, padrões mais elevados de bem-estar animal do que a Dinamarca, nomeadamente ao nível de práticas de corte de caudas e castração dos leitões, a oportunidade dada aos bovinos de leite para poderem pastar, etc. 

AO: Qual foi a reacção ao teu comentário? 

MG: A reacção tem sido um enorme número de e-mails (+50) da parte de pessoas que consideram uma novidade positiva que alguém do mundo académico fale abertamente contra os métodos de produção tipicamente usados. Ademais, o presidente da Organização Dinamarquesa para a Agricultura – uma entidade que reúne produtores e demais partes interessadas da cadeia de produção – publicou uma resposta no mesmo jornal, basicamente dizendo que têm de fazer aquilo que é preciso para competir numa economia aberta, que as coisas não são tão más como se julga (ele não tem no entanto documentação que o comprove) e afirmando que os produtores de gado dinamarqueses amam e respeitam os seus animais. 

AO: Que pensas da contribuição de investigadores vindos do mundo académico neste debate? Temos um papel legítimo como fazedores de opinião, ou responsabilidade nesse sentido? 

MG: Considero a participação em debates públicos uma parte importante do meu trabalho como eticista. De certa maneira revejo-me na figura do antigo bobo-da-corte, alguém com a função de dizer aquilo que toda a gente já sabe, mas que ninguém quer saber. Para além disso, o meu trabalho é qualificar o debate público e ajudar a desenredar conceitos e ideias complexos de modo a torná-los acessíveis a outros, bem como identificar afirmações erróneas e que tornam o debate demasiadamente simplista. No caso da produção agro-pecuária dinamarquesa ser vista como a ‘campeã do mundo’, eu considerei importante que alguém com conhecimento suficiente questionasse essa crença de modo a tornar o debate público mais informado. Geralmente considero importante que os académicos participem em debates públicos e os tornem mais qualificados. Temos sempre que ter em atenção, porém, a distinção entre o conhecimento que temos como especialistas e as opiniões que advogamos como cidadãos. Isto não é um exercício fácil e por vezes estas duas vertentes são difíceis de dissociar, mas devemos não obstante tentar fazê-lo.

* Mickey Gjerris é professor associado na Universidade de Copenhaga. Com formação inícial em teologia, fez o seu doutoramento em bioética. Hoje desenvolve trabalhos sobre tópicos como alterações climaticas, ética animal, bioética e ética da natureza. É membro do Danish Ethical Council (www.etiskrad.dk), acredita profundamente em tofu fumado, gosta de abraçar arvores e ver as nuvens passar e tem uma relação quase apaixonada com o seu iPhone.

6 comentários:

  1. Dois comentários:

    Um em relação ao Mickey, um dos mais brilhantes académicos que já conheci, quer pela força das suas ideias quer pela forma coerente como as defende.

    Outro relativamente à indústria pecuária dinamarquesa. Nem tudo o que luz é ouro e nas minhas entrevistas a alunos e professores de veterinária, foram-me narradas histórias de castração de leitões sem anestesia (algo que em Portugal já não se vê fazer), e de como a pressão económica está a arruinar a prática clínica veterinária já que os animais doentes acabam muitas vezes por ser abatidos em vez de tratados.

    O problema não é só dinamarquês e reflecte uma tendência da pecuária moderna: o valor de cada animal é inversamente proporcional à produtividade da exploração. Pernicioso.

    ResponderEliminar
  2. É evidente (embora deprimente) que temos como seres humanos uma enorme capacidade de adaptar o que achamos aceitável à prática local. Isto não é necessariamente relativismo cultural (a ideia que não há ética geral, tudo depende da cultura em que estamos); pode ter a mesma definição do que é bem-estar animal como base mas ter maneiras diferentes de definir o que ameaça este bem-estar.

    Dou-me a mim como o primeiro exemplo. Saí da Suécia para estudar na Holanda em 1993, 5 anos depois da entrada em vigor da nova lei sueca de proteção animal que tinha sido âmbito de grandes discussões e grandes afirmações do país como campeão mundial em proteção animal. Com 23 anos e muito idealismo, claro que estava a espera de encontrar horrores naquela pecuária continental feita para gerir dinheiro. Claro que achei impressionante e triste ver porcas enjauladas, o que tinha sido o símbolo de instalações inapropriadas para mim e que agora podia ver na realidade. Mas igualmente chocada fiquei comigo quando me apercebi que eu própria tinha assumido como a coisa mais natural do mundo ter as vacas leiteiras presas durante 9-10 meses por ano, por isso ser a maneira tradicional sueca. As vacas holandesas estavam todos em estabulação livre…

    ResponderEliminar
  3. Muito interessante. Fazem falta acedémicos opinativos (sem ser economistas...) na sociedade portuguesa, não só neste tema como em muitos outros. Já cansa ver as "talking heads" de sempre na televisão...

    ResponderEliminar
  4. Não podia concordar mais consigo. Embora não é evidente que teriamos acesso aos canais televisivos. há muito espaço por explorar nas paginas de debate dos jornais.

    O que acontece é que este tipo de participação é pouco valorizado na carreira de um académico. Se eu considero o tempo e esforço preciso para escrever um artigo de opinião para a imprensa nacional na luz do retorno que isto traz para o meu CV (que é práticamente nenhum), não escrevo artigos de opinião.

    Mas creio que não faltam académicos opinativos entre os autores e comentadores do animalogos, Ricardo incluído, o que espero pode eventualmente se espalhar para além do blog, e inspirar à participação em debates fora desta esfera.

    ResponderEliminar
  5. Não sabia exactamente onde colocar esta questão, mas uma vez que este post fala sobre as práticas da indústria pecuária fora de Portugal, parece-me o mais adequado.

    Ontem vi um episódio do programa britânico "Kill it, Cook it, Eat it", que pretende mostrar a um grupo de pessoas ao vivo e aos telespectadores, todo o processo de abate, desmanche e preparação da carne, sendo dada oportunidade aos presentes de comer a carne do animal que viram ser abatido.

    O episódio de ontem foi sobre porcos. Ora, durante o programa, foram feitas duas afirmações sobre as quais eu gostava de ouvir a opinião dos especialistas.

    A dada altura foi dito que o Reino Unido tinha as melhores práticas em termos do bem estar dos animais durante o abate (apesar de um representante da Compassion in World Farming ter dito que nos maiores matadouros a pressa é tanta que os animais podem não ficar devidamente atordoados e acordar antes de morrerem), contrastando com a Europa Continental, que ainda teria um longo caminho a percorrer. Eu gostaria de saber se é verdade, ou se há algum chauvinismo da parte das autoridades britânicas.

    Outra coisa que disseram, na voz de uma oficial do Meat HYgiene Service, foi que o atordoamento provoca o equivalente a um ataque epiléptico, pelo que os movimentos das pernas que vemos pouco depois do atordoamento são espasmos involuntários e até indicam um bom atordoamento. Isto é verdade? Se sim, então como podemos saber se um animal está a recuperar consciência antes de morrer? Que sinais nos indicariam isso?

    Por último, confesso que fiquei um pouco surpreendido por nenhuma das pessoas que testemunhou o abate, aparentemente, se ter recusado a comer a carne cozinhada a partir daquele porco. Faz-nos pensar se Paul McCartney tinha razão quando disse: “If slaughterhouses had glass walls, everyone would be a vegetarian.” Atribuo essa recusa a 2 factores:

    - O processo de abate mostrado parecia de facto seguir as melhores práticas: os porcos nunca se mostraram agitados, o atordoamento foi eficaz, o sangramento foi rápido, de uma maneira geral, parece não ter havido sofrimento da parte dos porcos.

    - A responsável do MHS foi explicando o que estava a ser feito e reassegurando as pessoas que os animais estavam a ser abatido da forma o mais humana possível. Sem essa responsável lá, algumas pessoas poderiam ter pensado que os porcos estavam a voltar a si quando agitaram a perna durante o sangramento. Além disso, acho que a presença da responsável faz com que as pessoas racionalizem mais o que estão a ver, ao invés de reagiram emocionalmente.

    ResponderEliminar
  6. Já agora, deixo aqui um excerto do episódio só com a parte do abate: http://www.youtube.com/watch?v=7iS3LUE9P8g

    ResponderEliminar

Obrigado pela sua participação no animalogos! O seu comentário é bem-vindo, em especial se fornecer argumentos catalisadores da discussão.

Embora não façamos moderação dos comentários, reservamo-nos no direito de rejeitar aqueles de conteúdo ofensivo.

Usamos um filtro automático de spam que muito ocasionalmente apanha mensagens indevidamente; pedimos desculpa se isto acontecer com o seu comentário.