quarta-feira, 16 de janeiro de 2013

Há raças perigosas?

No meu entender, a resposta curta à pergunta em epígrafe será SIM. Para a resposta mais comprida, sugiro ao leitor que me acompanhe nas próximas linhas.

Parece-me evidente que há, de facto, cães que são perigosos. é necessário contudo reflectir sobre quais os factores que determinam a perigosidade de cada animal, e se a raça poderá ser um deles. A legislação portuguesa é clara nesse sentido, definindo um restrito grupo de raças como merecedoras de particular atenção. Assim, para além do conceito de "cães perigosos" - isto é, aqueles indivíduos comprovadamente perigosos, por terem atacado humanos ou outros animais - temos também ao nível legal "cães potencialmente perigosos", nomeadamente aqueles que: 


Devido às características da espécie [???], ao comportamento agressivo, ao tamanho ou à potência de mandíbula,
possa causar lesão ou morte a pessoas ou outros animais, nomeadamente os cães pertencentes às raças previamente
definidas como potencialmente perigosas em portaria do membro do Governo responsável pela área da agricultura,
bem como os cruzamentos de primeira geração destas, os cruzamentos destas entre si ou cruzamentos destas
com outras raças, obtendo assim uma tipologia semelhante a algumas das raças referidas naquele diploma regulamentar"

São estas as raças: Cão de fila brasileiro, Dogue argentino, Pit bull terrier, Rottweiller, Staffordshire terrier americano, Staffordshire bull terrier, Tosa Inu. Contudo, o número limitado de raças contempladas e a dificuldade em definir  as tipologias das mesmas impõem dificuldades na aplicação da legislação. Para além disso, estas listas são sempre difíceis de justificar e interpretar. São feitas com base em que critérios (estatísticos? análise comportamental? morfologia do animal? pareceres de especialistas? de criadores?) e pode estar sujeita a grande subjectividade, pela força de factores geográficos, históricos, culturais, e até pessoais. 

Mas voltemos à questão inicial: haverá, de facto, raças potencialmente perigosas? Foi já defendido (e muito debatido)  neste blog se os factores morfológicos - como o porte e a força da dentada - não serão os principais factores determinantes para a perigosidade do animal.  Concordo em parte, pois o mais violento dos Chihuahuas não representará perigo de vida para ninguém. Contudo, e como já referi nos comentários que fiz a esse post  - escrito a propósito de um artigo de opinião de Mónica Roriz - há também factores genéticos do comportamento, muitos deles associados a algumas raças em particular, e que não podem ser ignorados. (vide Lockwood, por exemplo) 


Independentemente do seu temperamento, em nenhuma circunstância
o cão da esquerda apresentará perigo de vida para seres humanos.
Já  para o cão da direita, isso dependerá do seu temperamento. 
No clássico livro Genetics and the Social Behavior of the Dog, (1965) Scott and Fuller evidenciaram que diferentes raças tem diferentes graus - bem como tipos - de agressividade, sendo portanto a mesma resultado da selecção artificial dessa característica ao longo de séculos.

De leitura mais rápida, mas também muito útil para a compreensão do factor "raça" na agressividade é The Ethology and Epidemiology of Canine Aggression"  de  Randal Lockwood (e que disponiblizo mais abaixo neste post). 

Um exemplo que considero particularmente interessante neste artigo de Lockwood é a diferença entre o comportamento de um Staffordshire Terrier (Inglês ou Americano) cujos antecessores não tenham  sido seleccionados para combate há mais de 50 gerações, e o de um Pit Bull Terrier Americano de uma linhagem continuamente seleccionada  para combates. Ainda que fisicamente indistinguíveis, a diferença entre estes dois indivíduos ao nível da  tendência para a agressão inter-específica é grande, mostrando-nos como a genética canina pode ser manipulada por selecção artificial para a agressividade.  

 epidemiology of canine aggression randal lockwood pdf

Dito isto, podemos facilmente estabelecer uma relação linear entre raça e agressão? Como seria de esperar, tal não se afigura fácil, de todo. Primeiramente, porque a causa dos incidentes com cães é multifactorial.  Por outro lado, não há desde Scott e Fuller estudos sistemáticos significativos de avaliação do grau de perigosidade de cada raça, para os humanos (e sobretudo crianças e idosos, os mais vulneráveis, como reportado por Lockwood) ou outros animais. Para além disso,  restringir essa avaliação apenas a raças definidas irá ignorar as suas diversas variantes e crossbreeds. 

Então, o que fazer? Cada animal um caso, e é improvável que consigamos ter soluções "universais" para cada raça, ou mesmo cada indivíduo. Uma possível solução poderá passar pela contribuição dos veterinários para a caracterização do temperamento  de cada animal, do seu potencial para a agressividade (tendo em consideração factores como raça, idade, sexo, historial do animal, condições dos donos, ou outros) e das consequências de um eventual ataque, advertindo os proprietários sobre os cuidados a ter para evitar situações perigosas. Outras medidas poderão incluir o registo e acompanhamento destes animais pelas autoridades.

Independentemente de todos os cuidados que se possam ter com estes animais, tenho ao nível pessoal alguns problemas com a criação e aquisição deliberada de cães tendencialmente perigosos, principalmente por parte de quem não tem formação nem recursos para lidar com eles, não havendo grande controlo a esse nível. Para além disso, ainda que reconheça que os factores ambientais são também determinantes para a perigosidade de cada animal e no despoletar de situações de perigo, reconheço também que estes factores ambientais são muitas vezes desconhecidos, imprevisíveis e por isso difíceis de controlar.

Face a isto, e a nível pessoal, costumo recomendar a quem pretende partilhar a sua vida com um cão e possa escolher, que opte por cães de menor porte - com a vantagem de poderem ser mais longevos - e de trato tão dócil quanto for possível determinar pela raça e historial do animal, principalmente se viver com crianças ou idosos. Mas outras opiniões são bem-vindas...

8 comentários:

  1. Achas que seria muito descabida a implementação de uma "licença" para ter animais com um determinado porte em casa em que os futuros "donos" teriam que fazer um pequeno curso?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A mim parece-me muito sensato. Do ponto de vista do animal, faria sentido exigir isto para toda a posse de animais, mas além da impossibilidade da implementação levantará obviamente a questão porque se pode ter um filho sem curso nenhum e agora um curso para ter um cão! Mas no sentido do impacto que tem na segurança pública, podemos antes fazer a analogia com a carta de condução.

      Seria uma experiencia interessante.

      Eliminar
    2. a ultima frase deve ser "Mas no sentido do impacto que tem na segurança pública, para cães de raça potencialmente perigosa podemos antes fazer a analogia com a carta de condução.!

      Eliminar
    3. Não só acho interessante, Aura, como necessário. Evidentemente, como em qualquer medida do género, haveria vários problemas a ultrapassar, a começar na elaboração de uma definição de "cão potencialmente perigoso" que fosse suficientemente abrangente para englobar a maioria destes animais, mas não tanto que incluísse raças que não constituíssem maior perigo que a média. Outras questões incluem definir a natureza e conteúdo dessa formação, ou como fiscalizar esta medida.

      A analogia da Anna com a carta de condução faz sentido, principalmente se antedermos aos principais meios de evitar trágicos acidentes em qualquer um dos casos: formação, responsabilização e controlo.

      Eliminar
    4. Por incrível que pareça, ambas as medidas já estão previstas na legislação atual:

      "Artigo 5.º
      Detenção de cães perigosos ou potencialmente perigosos

      1 — A detenção de cães perigosos ou potencialmente
      perigosos, enquanto animais de companhia, carece de licença emitida pela junta de freguesia da área de residência do detentor, entre os três e os seis meses de idade.

      CAPÍTULO IV
      Treino de cães perigosos ou potencialmente perigosos


      Artigo 21.º
      Obrigatoriedade de treino

      Os detentores de cães perigosos ou potencialmente perigosos ficam obrigados a promover o treino dos mesmos, com vista à sua socialização e obediência, o qual não pode, em caso algum, ter em vista a sua participação em lutas ou o reforço da agressividade para pessoas, outros animais ou bens.

      Artigo 24.º
      Certificação dos treinadores
      1 — O treino de cães perigosos ou potencialmente perigosos previsto no artigo 21.º só pode ser ministrado por treinadores certificados para esse efeito"

      Eliminar
  2. A mim parece-me que um problema muito grande é que o maior fator de risco deve ser um dono irresponsável. E por muitas medidas e regras que se impõe que estes cães devem andar com açaime, sempre à trela, ser sujeitos a treino especial, se o dono não cumpre não vão ter efeito.

    Isto é claramente o caso para cães cujos donos são de um submundo onde as regras da sociedade em que vivemos não se aplicam.

    ResponderEliminar
  3. Como sempre Nuno, uma opinião bem fundamentada e concretizada.
    Penso que concordo com quase tudo o que foi dito, lamentando apenas que, e baseando apenas a minha opinião no senso comum dos casos que conheço, as pessoas que normalmente adquirem este tipo de animais, são aquelas com menos condições (quer psicológicas quer mesmo financeiras) para o fazer...
    Conheço um ou outro caso (que consideraria de pessoas digamos "aptas") de imenso sucesso na relação homem-animal, onde nomeadamente um casal de cães de raça Pit Bull Terrier e um Dogue Argentino, os quais são animais meigos, muito dóceis e extremamente saciáveis... Que mais podemos esperar do "melhor amigo do homem"?
    Abraço Nuno.

    ResponderEliminar
  4. Concordo com o que foi dito, Nuno. Na minha opinião, factores como o tamanho/potência de mandíbula/cruzamentos (inter-raças)/ambiente onde o cão vive, funcionam em conjunto para a determinar as suas características. Um cão que seja habituado a conviver com várias pessoas e outros cães, a estar em diferentes ambientes (exterior e interior) será mais afável e sociável do que um que não o seja. E, obviamente, que os donos têm um papel preponderante na formação do cão.
    Lembras-te da minha Jane? Andava por todo o lado com toda a gente. Era louca, mas meiguíssima. Os boxers são, no geral, assim, é verdade. Mas eu podia levá-la comigo para todo lado, porque ela sabia estar. Era uma lady!

    ResponderEliminar

Obrigado pela sua participação no animalogos! O seu comentário é bem-vindo, em especial se fornecer argumentos catalisadores da discussão.

Embora não façamos moderação dos comentários, reservamo-nos no direito de rejeitar aqueles de conteúdo ofensivo.

Usamos um filtro automático de spam que muito ocasionalmente apanha mensagens indevidamente; pedimos desculpa se isto acontecer com o seu comentário.