quarta-feira, 21 de maio de 2014

Sexo, experiências e ratos! - Parte 1

Quem está atento à questão da qualidade metodológica das experiências em animais já se deparou com esta questão: porque é que a maior parte das experiências apenas usa animais de um determinado sexo? Ou, porque é que a maior parte das vezes são escolhidos animais do sexo masculino? Ou, ainda, porque é que o sexo dos animais usados é frequentemente omitido em mais de um terço dos artigos científicos?

Uma das razões mais apontadas para a preferência por animais de laboratório machos é a variabilidade acrescida no uso de fêmeas, uma vez que os roedores têm ciclos éstricos que duram cerca de 4 dias, mudando de fase (proestro, estro, metaestro e diestro)  a cada dia. Esta maior variabilidade leva a um maior "ruído" a ter em consideração na análise dos resultados, o que leva a que sejam necessários mais animais para detectar o mesmo efeito. Em estudos de longa duração, contudo, pode haver uma preferência por fêmeas pois isso irá diminuir a ocorrência de episódios de luta entre companheiros de caixa, que muitas vezes obriga à exclusão de vários animais ao longo do estudo.
Um murganho fêmea e um murganho macho (Fonte)
É certo que há muitas circunstâncias nas quais apenas faz sentido usar um dos sexos (em estudos de funções reprodutivas, por exemplo), mas na maior parte das situações não há razão para não se terem em atenção as naturais diferenças fisiológicas, imunitárias ou metabólicas entre os géneros, que são muitas. Pode assim ser o sexo dos animais um factor negligenciável, em investigação? Essa mesma pergunta foi feita nos Estados Unidos há mais vinte anos a propósito dos estudos clínicos (ou seja, com humanos), que até 1993 eram maioritariamente (95%) conduzidos apenas com homens, sem que mulheres e minorias étnicas estivessem representadas. Esta situação melhorou bastante, desde então, com a alteração na regulamentação dos ensaios clínicos, estando no estando ainda longe de ser satisfatória. 

Vinte anos depois, começa a tornar-se cada vez mais evidente a necessidade de olhar para as diferenças entre os sexos nos estudos pré-clínicos, também, se queremos que de facto possam informar e prever resultados clínicos em humanos de ambos os sexos. Há ainda que considerar a questão ética de descartar cerca de metade dos animais gerados porque não pertencem ao sexo tradicionalmente usado em investigação. 

Atento a esta questão, o National Institute of Health, nos Estados Unidos, anunciou este mês que irá exigir que todos os testes pré-clínicos incluam animais dos dois sexos. Longe de ser uma questão apenas do foro técnico-científico, o tema mereceu mesmo a atenção do conceituado programa  60 Minutes, do New York Times e até mesmo do Colbert Report, do qual deixo aqui o hilariante segmento em questão.


Sem comentários:

Enviar um comentário

Obrigado pela sua participação no animalogos! O seu comentário é bem-vindo, em especial se fornecer argumentos catalisadores da discussão.

Embora não façamos moderação dos comentários, reservamo-nos no direito de rejeitar aqueles de conteúdo ofensivo.

Usamos um filtro automático de spam que muito ocasionalmente apanha mensagens indevidamente; pedimos desculpa se isto acontecer com o seu comentário.