terça-feira, 24 de março de 2015

Inovações na medição e avaliação de bem-estar animal: ecos do meeting NC3Rs/BBSRC

Na passada semana, 17 de Março, o nosso grupo de investigação do IBMC esteve representado numa conferência em Londres do National Centre for the Replacement, Refinement and Reduction of Animals in Research (NC3Rs), uma agência governamental do Reino Unido dedicada a financiar e promover inovações em alternativas de Substituição, Redução e Refinamento da investigação com animais.

Duas sociedades científicas
colaborando em prol do bem-estar
de animais usados em ciência.
A conferência teve organização conjunta com a BBSRC, a principal agência financiadora de investigação biomédica fundamental e aplicada no Reino Unido, e que através da NC3Rs apoia projectos de investigação em saúde e bem-estar animal. Esta conferência destinou-se assim a apresentar o progresso de estudos em curso promovidos pelas duas entidades financiadoras nesta área, tendo assim sido primariamente focada em Refinement, em detrimento dos outros Rs. Um conjunto de prestigiados investigadores da área estiveram assim presentes, dos quais destaco Marian Dawkins, Mike Mendl, Jane Hurst e Georgia Mason. 

Esta conferência apresentou os mais recentes desenvolvimentos em bem-estar animal, alguns dos quais serão merecedores de atenção especial neste blog por parte das colegas que me acompanharam (Ana Maria Valentim, Ana Catarina Castro, Ana Margarida Pereira e Joana Fernandes). É contudo de salientar que, por se tratarem de estudos ainda em curso, os resultados apresentados eram no geral ainda bastante preliminares.

Tiveram destaque nos estudos financiados pelo NC3Rs
os roedores, peixes e primatas não-humanos
Acho pertinente começar pela própria natureza das instituições organizadoras. A BBSRC tem uma dotação anual de cerca de 600 milhões de Euros para financiar projectos e bolsas de investigação (já por si superior aos 400 milhões da FCT, practicamente a única fonte de financiamento público da ciência em Portugal), num país onde dezenas de outras agências públicas e privadas financiam investigação biomédica, para não falar do avultado investimento da indústria. O orçamento para o bem-estar animal é contudo, e compreensivelmente, uma pequena fracção do total (cerca de 7 milhões de euros).

Já o NC3Rs não têm paralelo em qualquer parte do mundo. Apesar de haver vários centros para os 3Rs no mundo industrializado - e em particular na Europa - nenhum deles tem a dimensão, o nível de financiamento e o alcance desta agência britânica, que deve mesmo a sua existência à própria iniciativa do governo, o que até nem é de estranhar num país com tão grande tradição na protecção dos animais usados para fins científicos, e de onde o conceito dos 3Rs é originário.

Os estudos financiados pelo BBSRC focavam-se mais na saúde
e bem-estar de animais de produção
O orçamento anual do NC3Rs é de cerca de 10 milhões de Euros, e é responsável actualmente por alguns dos principais avanços científicos nos 3Rs. A ciência é aliás, o foco principal desta organização, cuja política se centra em promover uma ciência mais humana, mas também mais fidedigna e com maior valor translacional (i.e., com maior e mais directo benefício para as medicinas humana e veterinária).  E foi exactamente essa a imagem que me veiculou Mark Prescott, numa breve reunião informal (a propósito de um projecto de promoção dos 3Rs para Portugal, ainda numa fase muito embrionária) onde fez questão de salientar a primazia dada à ciência e o enquadramento da actividade do NC3Rs no progresso científico, não só como políticas centrais da organização, mas também como o seu principal cartão de visita.

Em termos gerais, e considerando que alguns dos trabalhos apresentados serão alvo de análise mais detalhada, destaco o seguinte:
  • O destaque dado ao bem-estar de espécies emergentes como modelos em investigação biomédica, nomeadamente os peixes, para os quais muito há ainda a fazer ao nível do seu bem-estar.  
  • O recurso a novas tecnologias como instrumentos de eleição na medição e avaliação de bem-estar animal
  • A apresentação da Animal Welfare Research Network,  uma rede que integrará os investigadores em saúde e bem-estar animal do Reino Unido, e que será financiada pela BBSRC. 
Em jeito de desabafo, não posso deixar de constatar o marcado contraste entre o panorama científico português e o britânico, relativamente ao nível de desenvolvimento e relevância dados à ciência em bem-estar animal, no Reino Unido.

O progresso científico em Portugal nos últimos vinte anos é absolutamente surpreendente, mas falta igual evolução na consideração dada à importância da saúde e bem-estar dos animais, sejam eles os de laboratório ou quaisquer outros. 

Sem comentários:

Enviar um comentário

Obrigado pela sua participação no animalogos! O seu comentário é bem-vindo, em especial se fornecer argumentos catalisadores da discussão.

Embora não façamos moderação dos comentários, reservamo-nos no direito de rejeitar aqueles de conteúdo ofensivo.

Usamos um filtro automático de spam que muito ocasionalmente apanha mensagens indevidamente; pedimos desculpa se isto acontecer com o seu comentário.