terça-feira, 10 de agosto de 2010

Abandono de Animais em Debate

Há cerca de um mês, o Fórum TSF dedicou duas horas de debate público ao abandono de animais no nosso país. Por ocasião deste debate, retomo um tema que já abordei anteriormente: a relação entre associações zoófilas e canis municipais. Programas como o Fórum são boas ferramentas antropológicas para se auscultar a percepção do cidadão comum a temas que normalmente são só analisados pelos ditos "especialistas", género que pulula nos meios de comunicação social portugueses. O tema surgiu por causa de uma curta notícia no DN que dava conta de que as Câmaras Municipais teriam recolhido 37 mil animais nos últimos 3 anos, segundo dados da Direcção-Geral de Veterinária (DGV).

Esta rúbrica permite vários pontos de análise: identificação animal (microship), conduta de criadores, punições legais pelo abandono, maus tratos animais, estatuto legal do animal, etc. Começo pelo papel que os canis/gatis municipais desempenham na nossa sociedade. A primeira percepção que retive do Fórum foi a de que o público não pode ficar esclarecido quando os próprios organismos oficiais não se entendem quanto à designação oficial: a DGV optou pelo eufemístico Centro de Recolha Oficial (CRO), ao passo que a ANVETEM optou pelo mais sonante Centro de Recuperação e Reabilitação Animal. Independentemente do nome, a paupérrima imagem pública dos canis/gatis municipais fica ilustrada por algumas das intervenções no programa:

"O abandono em Portugal está camuflado pela entrega no canil"

"Abandono legalizado pelas Câmaras"

"Os canis é para abater, por vezes sem condições"

"Genocídio animal"

"Os canis municipais abatem sem critério algum animais em bom estado"

Neste contexto, o papel das associações zoófilas - e de pessoas singulares - surge enobrecido, face à (aparente) inoperância dos CRO's, como sendo a alternativa humanitária para lidar com o problema dos animais errantes. Os, agora, Centros de Recolha Oficiais devem ser muito mais do que o nome indica. Não podem limitar a sua acção à recolha, identificação e profilaxia de animais errantes. A Presidente da ANVETEM, Ana Elisa Silva, tentou abarcar no curto espaço de tempo que lhe foi concedido, os pontos essenciais da acção do Médico Veterinário Municipal (MVM) nesta matéria, mas são necessários esforços adicionais para se passar uma mensagem construtiva sobre o papel social desempenhado por estes profissionais.

O MVM deve também actuar a nível da esterilização de animais errantes, do envolvimento junto dos seus munícipes com actividades de sensibilização e educação e da participação em campanhas de adopção (com critérios rigorosos de selecção e monitorização pós-adopção, como foi referido). No contexto de uma ética social, o MVM deve ir ao encontro da sua responsabilidade de máxima autoridade na protecção dos interesses dos animais de companhia. Dou como exemplo o Médico Veterinário Municipal de Valongo, Fernando Rodrigues (referido na peça, aliás), que desenvolve actividades didácticas e campanhas de sensibilização junto do público, nomeadamente crianças.

3 comentários:

  1. Hmmm...estou bastante interessado no projecto de terapia com animais em turmas de ensino especial. A ideia é fantástica, ganham os animais e os alunos (até para os utilitaristas mais radicais isto deve parecer positivo). Sabes se há prova científica do efeito benéfico desta medida ou se é mais empírica? É que isto é algo sob o qual se podia fazer uma análise mais aprofundada (já sei, já sei. Meto-me em tudo...)

    ResponderEliminar
  2. Já agora, e uma vez que este blog tem algum enquadramento ético, ponho-me aqui de novo na posição de "advogado do diabo" para lançar a questão da legitimidade dos seres humanos para esterilizar animais que, no fundo, vivem em estado semi-selvagem. Há sectores do activismo animal que consideram isto uma mutilação ilegítima. No outro extremo, há radicais que entendem que todas as variedades domésticas de animais selvagens deveriam ser gradualmente extintas, dado terem sido criadas para serviço do homem e constituírem uma degradação do que entendem ser um animal.

    ResponderEliminar
  3. Acho que deixaste a ideia para um próximo post. É que a questão pôe-se mesmo ao nível de saber até que ponto devemos, ou não, alimentar animais semi-selvagens. Tendo em conta que fomos nós que os criámos, até onde deve ir a nossa responsabilidade protectora?

    ResponderEliminar

Obrigado pela sua participação no animalogos! O seu comentário é bem-vindo, em especial se fornecer argumentos catalisadores da discussão.

Embora não façamos moderação dos comentários, reservamo-nos no direito de rejeitar aqueles de conteúdo ofensivo.

Usamos um filtro automático de spam que muito ocasionalmente apanha mensagens indevidamente; pedimos desculpa se isto acontecer com o seu comentário.