segunda-feira, 4 de julho de 2011

O que é bem-estar animal?

Ao regressar de um congresso em que estive a ouvir os últimos resultados de investigação neste campo (e recolhendo material para o blog), ocorreu-me que nunca realmente esclarecemos esse tópico no animalogos. Na série de entrevistas que acabamos de iniciar perguntamos às pessoas sobre o estado de bem-estar animal em Portugal, e bem-estar animal e ética animal aparecem junto com os animais na sociedade como os tópicos predominantes abordados aqui – são claramente questões fundamentais para o blog.

A minha motivação para iniciar este blog foi o de estabelecer um lugar onde se poderia discutir questões que têm a ver com a forma como nós, seres humanos, convivem com os animais não-humanos, especialmente daqueles perante os quais temos uma responsabilidade direta por controlarmos a suas vidas. Era também importante que essa discussão fosse baseada em factos relevantes. Há espaço para opinião aqui, mas esta opinião deve resultar de conhecimento dos factos e a reflexão sobre suas consequências.

Em grande medida, é o mesmo raciocínio que está por trás do desenvolvimento da ciência do bem-estar animal. Costumamos traçar a sua história para trás quase 50 anos, à publicação em 1964 do livro Animal Machines, escrito pela jornalista britânica Ruth Harrison.



O livro é uma peça de jornalismo investigativo sobre aquela produção intensiva, que estava prestes a se tornar o tipo de pecuária predominante nos países industrializados da época. As palavras de abertura do livro reflete o que Ruth Harrison pensava desta forma de manter os animais.
“I am going to discuss a new type of farming, of production line methods applied to the rearing of animals, of animals living out their lives in darkness and immobility without a sight of the sun, of a generation of men who see in the animal they rear only its conversion factor in to human food”
Em resposta à preocupação publica que o livro causou, o governo britânico formou um comité científico para analisar a questão do bem-estar animal, a comissão de Brambell em 1965. Este foi a primeira abordagem sistemática usando conhecimento científico para compreender o bem-estar animal. Se houver um momento na história em que a ciência do bem-estar animal foi realmente estabelecida, é neste.

Desde então um número crescente de cientistas num número crescente de países utiliza métodos de pesquisa científica para entender como os animais estão em diferentes situações. Com formação diversificada e usando uma variedade de métodos, os cientistas partilham terreno comum para o seu trabalho, um terreno que consta nos seguintes pressupostos
  • Os animals têm um bem-estar que lhes importa, e o bem-estar desses animais é uma questão importante para a sociedade
  • Como seres humanos que utilizam outros animais somos obrigados a fazer um esforço para melhorar o bem-estar animal (mas não necessariamente obrigados a deixar de usar animais)
  • A investigação científica é necessária para melhorar a nossa compreensão de como medir e melhorar o bem-estar animal
Tradicionalmente a investigação científica baseava-se em fisiologia de stress, etologia e medicina veterinária. Agora olha-se cada vez mais para as ciências sociais e economia - o que vemos claramente na escolha do tema do congresso: Making animal welfare improvements: Economic and other incentives and constraints.

1 comentário:

  1. Era sem dúvida importante deixar uma mensagem sobre o que é a ciência do bem-estar animal. De forma a acrescentar à tua introdução deixo aqui o link para um artigo recente de Sara Albuquerque, disponível no NATURLINK:
    http://naturlink.sapo.pt/article.aspx?menuid=2&cid=39373&bl=1

    ResponderEliminar

Obrigado pela sua participação no animalogos! O seu comentário é bem-vindo, em especial se fornecer argumentos catalisadores da discussão.

Embora não façamos moderação dos comentários, reservamo-nos no direito de rejeitar aqueles de conteúdo ofensivo.

Usamos um filtro automático de spam que muito ocasionalmente apanha mensagens indevidamente; pedimos desculpa se isto acontecer com o seu comentário.