quarta-feira, 25 de março de 2015

O MasterChef perdeu a cabeҫa


Desconheҫo as razões porque MLG e a sua entourage do programa MasterChef escolheram colocar no facebook uma cabeҫa de porco em cada um dos lugares destinados aos participantes, como forma de publicitar o próximo programa. Mas também por isso se torna um caso interessante para ser anasilado sob diversos pontos de vista.

Do ponto de vista veterinário, há uma boa razão para usar cabeҫas de porco. As cabeҫas de ruminantes (como bovinos, ovinos e caprinos) nao estão disponíveis já que, desde 1 de Outubro de 2000, os estados membros da UE sao obrigados a retirar da cadeia alimentar os tecidos animais mais susceptíveis de apresentarem um risco de encefalopatia espongiforme (incluindo o crânio). Das grandes espécies pecuárias, só restava o porco.

Em termos culinários, a escolha da cabeca de porco é particularmente feliz. Será um exercício extremamente interessante perceber de que forma os participantes lidam com tamanha iguaria. Orelhada, bochecha estufada com vinho tinto, lingua estufada com ervilhas, as possibilidades de cozinhar uma cabeca de porco sao praticamente infinitas. E, para os leitores omnívoros, saborosas.

Em termos de relaҫões públicas, as opiniões dividem-se. Ao contrário do que a peҫa jornalista indica, o facto de a fotografia ter inundando o facebook de comentários só pode ser uma boa notícia. Diz-se que não existe tal coisa como má publicidade, e eu sou forҫado a concordar já que pessoas como eu nunca saberiam da existência de tal programa, não fora esta rábula. Do ponto de vista de audiências, estou convencido de que dificilmente poderia haver melhor decisão.



No entanto, e recorrendo meramente ao senso comum, haveria boas razões para que a direcҫão do programa pensasse duas vezes antes de divulgar esta imagem. É que ela corre o risco de comparar os participantes a porcos. O porco é considerado pelas religiões monoteístas como um animal impuro, embora esse epíteto seja muito menos marcado na religião católica do que na judaica ou na muҫulmana (onde o animal é proscrito). Não importa. Colocar cabeҫas de porco nas bancadas, cuidadosamente alinhadas na direcҫão do espectador, é uma sugestão demasiado óbvia para ser ignorada.

Por fim, uma breve consideraҫão ao animal propriamente dito. Estas cabeҫas provavelmente provêm de um matadouro nacional e os animais a que pertenciam terão sido abatidos com elevados critérios de bem estar. Mas algo mais do que o bem-estar parece estar em causa. Para muitos, será dificil aceitar que animais sejam instrumentalizados desta maneira para uma mera peҫa de propaganda. Ninguém estaria a falar disto se, em vez da cabeҫa, aparecesse uma costeleta no prato. A face é a parte do nosso corpo que mais contribui para a nossa identidade. A mesma transposiҫão pode ser feita para os animais que, sendo expostos desta maneira, parecem ser privados de algo, mesmo depois da morte. Há quem lhe chame integridade e há quem lhe chame dignidade. E este caso parece ir ao encontro daqueles que defendem que proteger o bem-estar animal não chega para se defender os seus direitos.

terça-feira, 24 de março de 2015

Inovações na medição e avaliação de bem-estar animal: ecos do meeting NC3Rs/BBSRC

Na passada semana, 17 de Março, o nosso grupo de investigação do IBMC esteve representado numa conferência em Londres do National Centre for the Replacement, Refinement and Reduction of Animals in Research (NC3Rs), uma agência governamental do Reino Unido dedicada a financiar e promover inovações em alternativas de Substituição, Redução e Refinamento da investigação com animais.

Duas sociedades científicas
colaborando em prol do bem-estar
de animais usados em ciência.
A conferência teve organização conjunta com a BBSRC, a principal agência financiadora de investigação biomédica fundamental e aplicada no Reino Unido, e que através da NC3Rs apoia projectos de investigação em saúde e bem-estar animal. Esta conferência destinou-se assim a apresentar o progresso de estudos em curso promovidos pelas duas entidades financiadoras nesta área, tendo assim sido primariamente focada em Refinement, em detrimento dos outros Rs. Um conjunto de prestigiados investigadores da área estiveram assim presentes, dos quais destaco Marian Dawkins, Mike Mendl, Jane Hurst e Georgia Mason. 

Esta conferência apresentou os mais recentes desenvolvimentos em bem-estar animal, alguns dos quais serão merecedores de atenção especial neste blog por parte das colegas que me acompanharam (Ana Maria Valentim, Ana Catarina Castro, Ana Margarida Pereira e Joana Fernandes). É contudo de salientar que, por se tratarem de estudos ainda em curso, os resultados apresentados eram no geral ainda bastante preliminares.

Tiveram destaque nos estudos financiados pelo NC3Rs
os roedores, peixes e primatas não-humanos
Acho pertinente começar pela própria natureza das instituições organizadoras. A BBSRC tem uma dotação anual de cerca de 600 milhões de Euros para financiar projectos e bolsas de investigação (já por si superior aos 400 milhões da FCT, practicamente a única fonte de financiamento público da ciência em Portugal), num país onde dezenas de outras agências públicas e privadas financiam investigação biomédica, para não falar do avultado investimento da indústria. O orçamento para o bem-estar animal é contudo, e compreensivelmente, uma pequena fracção do total (cerca de 7 milhões de euros).

Já o NC3Rs não têm paralelo em qualquer parte do mundo. Apesar de haver vários centros para os 3Rs no mundo industrializado - e em particular na Europa - nenhum deles tem a dimensão, o nível de financiamento e o alcance desta agência britânica, que deve mesmo a sua existência à própria iniciativa do governo, o que até nem é de estranhar num país com tão grande tradição na protecção dos animais usados para fins científicos, e de onde o conceito dos 3Rs é originário.

Os estudos financiados pelo BBSRC focavam-se mais na saúde
e bem-estar de animais de produção
O orçamento anual do NC3Rs é de cerca de 10 milhões de Euros, e é responsável actualmente por alguns dos principais avanços científicos nos 3Rs. A ciência é aliás, o foco principal desta organização, cuja política se centra em promover uma ciência mais humana, mas também mais fidedigna e com maior valor translacional (i.e., com maior e mais directo benefício para as medicinas humana e veterinária).  E foi exactamente essa a imagem que me veiculou Mark Prescott, numa breve reunião informal (a propósito de um projecto de promoção dos 3Rs para Portugal, ainda numa fase muito embrionária) onde fez questão de salientar a primazia dada à ciência e o enquadramento da actividade do NC3Rs no progresso científico, não só como políticas centrais da organização, mas também como o seu principal cartão de visita.

Em termos gerais, e considerando que alguns dos trabalhos apresentados serão alvo de análise mais detalhada, destaco o seguinte:
  • O destaque dado ao bem-estar de espécies emergentes como modelos em investigação biomédica, nomeadamente os peixes, para os quais muito há ainda a fazer ao nível do seu bem-estar.  
  • O recurso a novas tecnologias como instrumentos de eleição na medição e avaliação de bem-estar animal
  • A apresentação da Animal Welfare Research Network,  uma rede que integrará os investigadores em saúde e bem-estar animal do Reino Unido, e que será financiada pela BBSRC. 
Em jeito de desabafo, não posso deixar de constatar o marcado contraste entre o panorama científico português e o britânico, relativamente ao nível de desenvolvimento e relevância dados à ciência em bem-estar animal, no Reino Unido.

O progresso científico em Portugal nos últimos vinte anos é absolutamente surpreendente, mas falta igual evolução na consideração dada à importância da saúde e bem-estar dos animais, sejam eles os de laboratório ou quaisquer outros. 

sexta-feira, 20 de março de 2015

NaturFun - O portal de compras com responsabilidade eco-social


NATURFUN "Animação" from Help Images on Vimeo.

"O portal NaturFun promove e comercializa produtos e serviços ambientalmente favoráveis a preços mais baixos e partilha as receitas com instituições de solidariedade social e com os próprios utilizadores do portal. O NaturFun intervém assim nos 3 eixos principais da sustentabilidade: ambiente, sociedade e economia."

Partilho esta ideia, que me parece excelente. Gostei da honestidade do conceito de "ambientalmente favorável", em vez do presunҫoso, e muitas vezes enganador, "sustentável" (embora também o seja). Fiquei com vontade de levar os meus filhos à Herdade do Freixo do Meio e pelo meio comer um cozido tradicional alentejano. Também aconselho a excelente biblioteca que o site oferece, assim como os cursos mais variados, que vão desde a Conservação da Fauna em Portugal, Iniciação à Aquaponia: Produção de Vegetais e de Peixe de Forma Natural e Sustentável e o Curso de Modo de Produção Biológico.

São óptimas sugestões que também podem ser boas prendas. Partilhem!

quinta-feira, 12 de março de 2015

350 anos a escrever sobre ciência

O início de março marca os 350 anos da primeira revista científica. No dia 6 de março em 1665, a primeira edição da Philosophical Transactions foi publicada em Londres. Ao contrário de muitas revistas, em que não se consegue aceder às edições pre-digitais, temos acesso a todo o arquivo desta publicação do The Royal Society.

Na diversidade de tópicos na primeira edição, não faltam assuntos com clara relevância para ética e bem-estar animal, como por exemplo Of the New American Whale-Fishing about the Bermudas. O que esta história conta, sobre o comportamento das baleias e a sua alimentação, é essencialmente coerente com a visão científica contemporanea - embora o assunto de caça científica de baleias é bem mais controverso agora.

Na segunda edição podemos aprender An Easier and Safer Way of Transfusing Blood out of one Animal into another Além de constatar que a forma de descrever trabalhos experimentais com animais é radicalmente diferente de hoje, fiquei a pensar na despreocupação com o facto de ser animais de especies diferentes. Mas descobri que a xenotransfusão ainda não foi abandonada na medicina veterinária.

quinta-feira, 5 de março de 2015

Os ‘animais de laboratório’ mais famosos

Por causa de um recente debate sobre se os animais de laboratório deveriam ter um nome (em vez de serem identificados por um código), a revista científica americana Science lanҫou um Quiz para testar o conhecimento dos seus leitores sobre os mais famosos animais alguma vez usados para fins científicos. O quiz tem perguntas interessantes e um timer, pelo que não dá tempo para ir dar uma espreitadela à Wikipedia à procura da resposta certa. No final, dá vontade de conhecer melhor quem eram estes animais e de que forma contribuiram para o avanҫo da ciência. No entanto, só um certo chauvinismo americano pode justificar que a cadela Laika não faҫa parte dasta lista (em vez disso, ficamos a saber que os primeiros animais que os americanos levaram aos espaҫo foram um par de macacos). Mais significativo é o facto de que na lista dos mais famosos aparecem espécies emblemáticas como golfinhos e chimpanzés, mas não há referência a um único rato ou ratinho, que compõem a esmagadora maioria dos animais usados em investigaҫão científica e aqueles que mais terão contribuido para o avanҫo da ciência e, por inerência, da humanidade. Assim sendo, pergunto: que outro animal sugeririam para esta lista?