terça-feira, 16 de setembro de 2014

O Burro-de-Miranda - uma visita à sede da AEPGA em Miranda do Douro

Já por mais que uma vez falámos aqui do Burro-de-Miranda e do excelente trabalho da Associação para o Estudo e Protecção do Gado Asinino (AEPGA) para a sua promoção e conservação. Recentemente, e a propósito das férias familiares, tive a oportunidade de poder visitar a sua sede, na aldeia de Atenor, Miranda do Douro, para conhecer in loco estes fantásticos animais e o meritório trabalho desta associação fundada em 2001.

Burriquitos nascidos este ano. Todos baptizados com nomes
começando por "J" (para o ano será com "L", e por aí adiante)
(Foto: Nuno Franco)
Como estava apenas de passagem, optei pela actividade de mais curta duração (passeio de 1h30), ainda que a associação tenha outros passeios em que o contacto com os burros e a natureza envolvente assumem o papel central, e que podem durar até vários dias. Organizam e dinamizam ainda várias outras actividades, que incluem, por exemplo, o próximo workshop de Medicina Veterinária de Asininos, a realizar entre 25 e 28 de Setembro próximos.

Quem é, então, o Burro-de-Miranda? É essencialmente uma raça (subespécie?) asinina autóctone do nordeste transmontano, caracterizada por:

O "Lourenço", de oito anos, um belíssimo
exemplar da raça. (Foto: NF)

- Pelagem comprida, grossa, de cor castanha 
- Grandes e peludas orelhas. Largas na base, redondas na ponta
- Peito largo, pescoço curto e cabeça volumosa
- Lábios grossos, focinho curto e branco na ponta
- Olhos rodeados por uma mancha branca.
- Estatura elevada, mais do que 1,20 m, idealmente com 1,35 m.




Os burros até nem gostam muito que lhes mexam
nas orelhas, mas este nem se queixou... (Foto:NF) 
São animais de temperamento muito dócil, ainda que apenas machos castrados e fêmeas sejam utilizados nos passeios (a associação dispõe de 6 garanhões, não castrados, para reprodução). Quer os juvenis quer os adultos com quem contactei procuravam activamente a presença e os mimos dos visitantes, tornando muito difícil não nos afeiçoarmos a estes animais.  
Foram muito populares no passado como animais de carga, de tracção e de transporte, mas encontram-se hoje ameaçados. Existem em todo o país cerca de 800 fêmeas, ainda que apenas 400 estejam em idade reprodutora, o que coloca a raça na lista de animais ameaçados.

A longevidade dos animais de trabalho é de cerca de 30 anos, mas prevê-se que os animais que se encontram nas instalações da AEPGA possam chegar aos 40 anos de idade. 

Nas instalações da AEPGA, que incluem um terreno com 14 hectares, residem hoje 70 burros, (tendo começado com 20), catorze dos quais nasceram este ano, o maior registo de sempre. Por limitações de ordem logística (a associação não conta com qualquer apoio do município de Miranda do Douro), a associação vende ou cede animais para vários locais do país. No distrito do Porto podem ser encontrados, por exemplo, na Fundação de Serralves ou no Parque Biológico de Gaia.

A associação conta com dois médicos veterinários a tempo inteiro, que se encarregam da monitorização dos animais da associação, mas que também fazem acompanhamento veterinário de outros burros na região, por um valor simbólico, dada a idade e perfil sócio-económico da maioria dos proprietários de gado asinino na região.

Nada é deixado ao acaso pela equipa veterinária da AEPGA,
como se pode constatar neste quadro. (Foto: NF) 
Já o passeio em si, foi uma experiência muito positiva e didáctica. Toda a família adorou e eu confesso que me apaixonei por estes belos animais. Partilho com os animalogantes alguns destes momentos passados em Atenor na companhia dos Burros-de-Miranda, aproveitando ainda para recomendar esta experiência a todos que gostem de animais, de contacto com a natureza e de aventura.
Fotos: Nuno Franco
 

1 comentário:

  1. Estive am Atenor no ano de 2005, quando fiz a descida do Douro Internacional de Canoa desde Miranda do Douro a Barca d'Alva. No caminho, visitámos a AEPGA e recordo o Lourenҫo, um jovem burro, ruivo e hirsuto, que nos cheirava e perseguia, como se de um cachorro se tratasse. Infelizmente nao encontro fotos nenhumas dessa experiencia (por essa altura o Facebook estava ainda a germinar).

    P.S. Já agora, depois do(s) Caminho(s) de Santiago, esta foi a melhor experiencia de turismo de natureza que alguma vez tive (vejam o site da Transerrano).

    ResponderEliminar

Obrigado pela sua participação no animalogos! O seu comentário é bem-vindo, em especial se fornecer argumentos catalisadores da discussão.

Embora não façamos moderação dos comentários, reservamo-nos no direito de rejeitar aqueles de conteúdo ofensivo.

Usamos um filtro automático de spam que muito ocasionalmente apanha mensagens indevidamente; pedimos desculpa se isto acontecer com o seu comentário.